Diversidade

Movimento negro pede a Lula e Biden a retomada de projeto antirracista

‘Com o extremismo e a intolerância em ascensão, devemos permanecer juntos para garantir a proteção de Vidas Negras’, diz o documento

Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, Janja, durante chegada em Washington. Base Aérea de Andrews, Washington — Foto: Ricardo Stuckert/PR
Apoie Siga-nos no

Entidades do movimento negro enviaram uma carta ao presidente Lula (PT) e ao presidente norte-americano, Joe Biden, com um pedido de retomada do Plano de Ação Conjunta Brasil-Estados Unidos para a Eliminação da Discriminação Étnico-Racial e a Promoção da Igualdade. A ação ocorre em meio ao encontro entre os líderes, marcado para esta sexta-feira 10.  

Criado em 2008, o plano visava a cooperação entre as duas nações na luta pela erradicação do racismo e pelo fomento à igualdade de oportunidades. 

As organizações destacam que a falta de implementação do projeto se deve à ausência de estratégia e à falta de interesse das gestões anteriores. 

“Esta é uma oportunidade chave não apenas para retomar o JAPER, mas também para fazê-lo melhor e mais eficaz”, afirma o documento. “Com o extremismo e a intolerância em ascensão, devemos permanecer juntos para garantir a proteção de Vidas Negras“. 

O texto relembra o caso de George Floyd, assassinado por um policial branco, que instigou o levante do Black Lives Matter nos Estados Unidos. Menciona também as mortes de jovens negros pelas polícias brasileiras.

“Apesar de ambos os países terem atingido importantes resultados na luta contra o racismo, estamos longe de chegar no dia em que a discriminação racial não mais será um tema de grande preocupação”, pontuam. “Pessoas negras continuam sendo privadas do exercício pleno de seus direitos políticos, econômicos, sociais e culturais.”

Segundo a carta, a sugestão é de que os governos reúnam o movimento negro brasileiro e o americano pela criação de uma estratégia de implementação do plano. Na lista de prioridades estão discussões sobre educação, gênero, desenvolvimento econômico e saúde da população negra, além da promoção de soluções de enfrentamento à violência racial e à falta de representação política nos países. 

Assinam o documento as seguintes organizações:

  • Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades; Coletivo de Entidades Negras;
  • Coordenação Nacional de Articulação de Quilombos;
  • Geledés – Instituto da Mulher Negra;
  • Instituto de Referência Negra – Peregum;
  • Instituto Maria e João Aleixo;
  • Instituto Cultural Steve Biko;
  • Laboratório de dados e narrativas sobre favelas;
  • ODARA – Instituto da Mulher Negra;
  • União de Núcleos de Educação Popular para Negras/os e Classe Trabalhadora – UNEafro
  • Washington Brazil Office – WBO.

Leia a carta na íntegra: 

Carta+JAPER+-+Portugues+e+Ingles

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.