CartaExpressa

Ministro de Lula é vaiado na Marcha para Jesus, em São Paulo

O Advogado-Geral da União Jorge Messias até chegou a ser aplaudido quando citou um trecho bíblico, mas foi vaiado pela plateia ao citar o nome do presidente

Este é o AGU Jorge Messias, durante discurso na Marcha para Jesus 2023 - Reprodução/Internet
Apoie Siga-nos no

O Advogado-Geral da União Jorge Messias foi vaiado durante sua participação na Marcha para Jesus, em São Paulo, nesta quinta-feira 8. Ele foi enviado para representar o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no evento, que reúne evangélicos de todo o País.

Messias subiu ao palco ao lado da deputada federal Benedita da Silva, também evangélica, e de aliados. Durante o discurso, o AGU afirmou que “veio em missão de paz” e pregou união entre os brasileiros. O advogado até chegou a ser aplaudido quando citou um trecho bíblico, mas foi vaiado pela plateia ao citar o nome de Lula.

“Vim aqui dizer para vocês, a pedido do presidente, que existem em Brasília homens e mulheres que vivem pelo Reino [de Deus] e que nós estamos lá, não pela nossa perna, mas levantados por Deus para cumprir um propósito. Vim para dizer que nosso povo quer paz. Esse é que recado que o presidente pediu que trouxe para vocês”, declarou, sendo interrompidos pela multidão.

Organizador do evento, o apóstolo Estevam Hernandes chegou a fazer gestos com as mãos para cessar as vaias, sem sucesso.

Lula foi convidado a participar do evento, mas preferiu enviar representantes. Na carta enviada a Hernandes, o petista agradeceu o “honroso convite”, mas disse ser “impossível” comparecer à Marcha.

A ausência do presidente foi criticada pelo líder da bancada evangélica na Câmara, deputado Eli Borges (PL-TO), para quem Lula “ainda não compreendeu a importância do povo evangélico no Brasil”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo