CartaExpressa

Lula elogia o trabalho de Múcio na Defesa: ‘É o ministro que eu quero’

O presidente afirmou receber avaliações de que o ministro seria ‘muito light’ para o cargo

O comandante do Exército, General Tomás Paiva, e o ministro da Defesa, José Múcio Monteiro. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O presidente Lula (PT) defendeu, nesta quarta-feira 15, o desempenho do ministro da Defesa, José Múcio Monteiro. A declaração foi concedida durante uma cerimônia em São Leopoldo (RS) na qual o petista anunciou novas medidas de socorro ao Rio Grande do Sul.

“De vez em quando as pessoas falam: ‘Lula, o José Múcio não é muito light para ser ministro da Defesa?’. Eu falei: ‘não, é o ministro que eu quero’. Um cara civilizado, um cara que pensa nos nossos generais como cidadãos brasileiros”, disse Lula. “Ele não vê a farda. Ele vê um homem, um brasileiro que nasceu aqui e que quer fazer as coisas acontecerem conosco.”

Segundo o mais recente balanço da Defesa, cerca de 13,4 mil militares da Marinha, do Exército e da Força Aérea Brasileira estão diretamente envolvidos na missão no Rio Grande do Sul. Eles resgataram em torno de 63 mil pessoas e 7 mil animais desde o início da ajuda humanitária, em 30 de abril.

A ação das Forças Armadas conta com 105 lanchas e botes, seis navios e 35 aeronaves.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.