Política

Lewandowski autoriza uso da Força Nacional para expulsar invasores das terras Yanomami

Agentes auxiliarão na execução do plano para proteção da terra indígena apresentado pelo governo federal ao STF

Os yanomâmis foram as principais vítimas da violência no campo
Apoie Siga-nos no

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Lewandowski, autorizou o envio de Força Nacional, por 180 dias, para auxiliar na desintrusão de invasores na Terra Indígena Yanomami, em Roraima. 

Segundo a portaria, publicada nesta segunda-feira 25 no Diário Oficial da União, os agentes colocarão em prática o plano apresentado pela Casa Civil ao Supremo Tribunal Federal para enfrentar a crise humanitária que atinge há décadas a região, provocadas pelo garimpo ilegal e a degradação ambiental. 

Segundo o Ministério dos Povos Indígenas, o investimento total em ações na região será de 1,2 bilhão de reais neste ano.

O emprego da Força Nacional de Segurança Pública ocorrerá em articulação com os órgãos de segurança pública do Estado de Roraima e com a Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai), sob a coordenação operacional da Polícia Federal.

Em 2023, os casos graves de indígenas com malária e desnutrição severa alcançaram um ponto sem precedentes, ao menos 363 pessoas morreram no ano.

Apesar das operações de expulsão do garimpo ilegal, um ano depois, a terra voltou a ser tomada pelo crime organizado.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo