Política

Leite fala em ‘impacto’ das doações sobre o comércio gaúcho e é criticado nas redes

O governo se disse preocupado com o ‘reerguimento’ dos comerciantes diante do volume de doações. Após críticas, Leite pediu desculpas pelo ‘mal entendido’

Foto: Maurício Tonetto/Secom
Apoie Siga-nos no

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB) sofreu críticas nas redes sociais após sugerir que as doações enviadas ao estado poderiam dificultar o “reerguimento do comércio” gaúcho.

“Pedi à nossa equipe aqui que ajude a estruturar ferramentas e canais para que aquelas pessoas que queiram fazer doações possam fazer essas doações também ajudando o comércio local, que está impactado. Na verdade, quando você tem um volume tão grande de doações físicas chegando ao estado, há um receio sobre o impacto que isso terá no comércio local. O reerguimento desse comércio fica dificultado na medida em que você tem uma série de itens que estão vindo de outros lugares do país”, comentou em entrevista à Rádio Band News FM.

Leite ainda afirmou que não está “desprezando” as doações. “Pelo contrário, são muito bem recebidas, mas inclusive isso também gera uma preocupação aqui para nós sobre os impactos no comércio local aqui no Rio Grande do Sul”, complementou.

Após a repercussão negativa, Leite publicou um novo vídeo, nesta quarta-feira 15, pedindo desculpas pelo que chamou de “mal entendido”.

“Em nenhum momento, eu tive a menor intenção de inibir ou desprezar as inúmeras doações que o Brasil e o mundo estão fazendo para ajudar nosso Rio Grande do Sul numa grande reconstrução. Entre tantas preocupações que a tragédia nos traz, traz também a situação dos nossos pequenos comerciantes”, disse.

“As últimas semanas têm sido brutais para todos nós, e ninguém está livre de errar. Portanto, meu mais sincero pedido de desculpas pela confusão que possa ter causado no entendimento de algumas pessoas”, completou o governador no vídeo.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo