CartaExpressa

Deputado pede quebra do sigilo bancário de Bolsonaro à CPMI do 8 de Janeiro

No documento, Rogério Correia (PT) cita as diversas ocasiões em que o ex-presidente colocou em xeque a lisura do sistema eleitoral brasileiro

Foto: Reprodução/Twitter
Apoie Siga-nos no

O deputado federal Rogério Correia (PT-MG) apresentou requerimento à CPMI aberta para investigar os atos golpistas do 8 de Janeiro no qual pede a quebra do sigilo bancário do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) entre os dias 30 de outubro de 2022 (segundo turno das eleições gerais) e 10 de janeiro deste ano.

No documento, o parlamentar cita as diversas ocasiões em que o ex-presidente colocou em xeque a lisura do sistema eleitoral brasileiro e incitou seus apoiadores a irem às ruas. Argumenta, ainda, que a invasão bolsonarista aos prédios dos Três Poderes em Brasília só foi possível “a partir do financiamento das ações”, sendo Bolsonaro o principal beneficiário.

“O não reconhecimento da eleição do seu opositor e vários pronunciamentos dúbios levaram aos apoiadores de Jair Messias Bolsonaro a interpretar que o mesmo autorizava e estimulava os protestos violentos, paralisação de rodovias, acampamento nos quarteis pedindo intervenção militar, dentre tantos outros atos que fizeram gestar os atos de terrorismo ocorridos em 8 de janeiro, como o discurso que fez em 1o de novembro, interpretado como incentivo à continuidade das mobilizações golpistas”, diz trecho do requerimento.

Além deste requerimento, Correia também apresentou à CPMI na semana passada um pedido de convocação para Bolsonaro prestar esclarecimentos aos integrantes do colegiado. As solicitações ainda precisam ser avalizadas pelos parlamentares durante votação.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo