Política

Lula diz que só promoverá reforma ministerial ‘se houver uma catástrofe’

O presidente negou que Arthur Lira havia pedido um ministério, mas não descartou a opção de negociar a entrada do PP no governo

Foto: Evaristo Sa/AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente Lula (PT) afirmou nesta quinta-feira 1º que não promoverá uma reforma ministerial neste momento, mesmo com as dificuldades enfrentadas no Congresso Nacional para a aprovação da medida provisória de reestruturação dos ministérios.

A declaração foi concedida após cobranças públicas do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), sobre problemas na articulação do governo no Congresso. Outra queixa é de que o Planalto estaria “segurando” nomeações para cargos e a liberação de emendas.

“Não está na minha cabeça fazer a reforma ministerial, a não ser que aconteça uma catástrofe e que eu tenha que mudar. Mas, por enquanto, o time está jogando melhor que o Corinthians”, afirmou à imprensa após encontro com o presidente da Finlândia, Sauli Niinistö, em Brasília.

O presidente também negou que Lira tenha pedido um ministério para o seu partido, mas não descartou a chance de negociar a entrada do PP no governo. “Se ele pedir, a gente vai avaliar. Mas, até agora, nunca ouvi o Lira pedir ministro”, concluiu.

Pouco antes das declarações de Lula, Lira afirmou ter feito alertas ao governo a respeito da insatisfação de parlamentares. Ele também defendeu que o presidente dê mais espaço em seus ministérios a partidos de fora da base aliada, a fim de ampliar o apoio no Congresso.

Aprovação no Senado

A aprovação no Senado, nesta quinta-feira, da MP de reestruturação dos ministérios ocorreu horas antes de a medida “caducar”, ou seja, perder seus efeitos legais. Se não fosse aprovada, 17 ministérios criados e recriados pelo presidente seriam extintos.

A análise foi finalizada nesta tarde, com 51 votos favoráveis, ante 19 contrários e uma abstenção. O texto aprovado, no entanto, esvazia os ministérios do Meio Ambiente e dos Povos Indígenas.

Mesmo com o prazo apertado e as incertezas dos últimos dois dias, Lula minimizou a pressão. Mais cedo, em coletiva, ele afirmou que a tramitação conturbada “é natural” do ambiente político.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo