Justiça

Caso Marielle: a nova cartada de Chiquinho Brazão para tentar deixar a prisão

A ordem para prender o deputado federal ainda precisa ser chancelada pela Câmara

O Deputado Chiquinho Brazão (RJ) em reunião com o então ministro da Saúde de Jair Bolsonaro (PL), Marcelo Queiroga. Foto: Wallace Martins /Ministério da Saúde
Apoie Siga-nos no

A defesa do deputado federal Chiquinho Brazão (RJ) enviou nesta segunda-feira 8 à Comissão de Constituição e Justiça da Câmara um pedido para revogar sua prisão preventiva.

Ele e o irmão Domingos Brazão, conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro, foram presos em março pela Polícia Federal sob a suspeita de mandar matar a vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ), assassinada em 2018. Na mesma operação, a PF prendeu o ex-chefe da Polícia Civil Rivaldo Barbosa, suspeito de agir para proteger os participantes do crime.

As ordens de prisão preventiva partiram do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, e foram chanceladas pelo plenário da Corte.

A prisão de Chiquinho, contudo, ainda precisa ser confirmada pela Câmara. De acordo com a Constituição, um deputado só pode ser preso em flagrante de crime inafiançável e, por isso, a Casa precisa referendar a prisão por maioria absoluta, em votação aberta. O primeiro passo é a análise na CCJ.

A defesa do deputado tem duas alegações centrais: a de que o STF não seria o tribunal competente para julgá-lo e a de que não há flagrante a justificar a prisão preventiva.

“Os fatos são datados de março de 2018, quando o representado exercia o mandato de vereador, sendo certo, também, que, de acordo com a hipótese criminal apresentada pela autoridade policial, os motivos que teriam levado Francisco Brazão a idealizar o homicídio da vereadora Marielle Franco não guardam qualquer relação com as funções desempenhadas, seja na condição de vereador, seja na atual condição de deputado federal”, sustenta a defesa.

Os advogados também argumentam  que “não há – ao menos na representação da Polícia Federal e na decisão do STF – qualquer flagrante de crime inafiançável imputável ao deputado federal”.

Em um ofício encaminhado à Câmara, Alexandre de Moraes explicou que o flagrante delito atribuído a Chiquinho se refere ao crime de obstrução de Justiça em organização criminosa.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo