CartaExpressa

Moraes concede liberdade provisória a coronel da PM do DF preso por omissão no 8 de Janeiro

Ex-comandante e terá que cumprir medidas cautelares como uso de tornozeleira eletrônica

Jorge Eduardo Naime, coronel preso por atuação no 8 de janeiro. Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, concedeu nesta segunda-feira 13 liberdade provisória para o coronel Jorge Eduardo Naime Barreto, ex-comandante do Departamento de Operações da Polícia Militar do Distrito Federal. Ele foi preso em 2023 por suspeita de envolvimento nos atos golpistas de 8 de Janeiro.

A decisão acatou pedido da defesa do militar que argumentou que não haveria mais necessidade de manter Naime preso após o coronel ter sido transferido para a reserva remunerada da corporação. Naime estava preso desde fevereiro de 2023.

O ex-comandante e terá que cumprir medidas cautelares como uso de tornozeleira eletrônica e proibição do uso de redes sociais e de qualquer comunicação com os demais envolvidos no processo.

Além disso, Moraes também determinou a suspensão do porte e de possíveis registros de armas de fogo e o cancelamento do passaporte do militar.

Em junho, o ex-comandante do Departamento Operacional da PM-DF prestou depoimento à CPMI do 8 de Janeiro e admitiu falhas na contenção dos ataques, mas alegou que seu setor não havia recebido os alertas de inteligência.

Ainda segundo Naime, as informações repassadas no grupo de WhatsApp que reunia a cúpula da Segurança Pública e outras autoridades não eram relatórios de inteligência, mas informes, que não permitem o planejamento da corporação.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar