Mundo

Boric diz não se sentir ofendido por Lula, mas volta a defender condenação à Rússia

O petista chamou o mandatário chileno de ‘jovem apressado’ nesta quarta-feira 19

O presidente do Chile, Gabriel Boric, durante pronunciamento em Brasília. Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O presidente do Chile, Gabriel Boric, reiterou sua manifestação sobre a guerra da Ucrânia e disse não se sentir ofendido com a declaração de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) a seu respeito.

Lula chamou Boric de “jovem apressado” ao comentar a pressão do Chile para que a Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos, a Celac, condene a Rússia e adote uma posição similar à da Europa.

Questionado pela imprensa em Paris, em meio a um giro pela Europa, o chileno disse seguir “princípios” e classificou a invasão russa à Ucrânia como “agressão inaceitável”.

“Nenhuma potência pode passar por cima do direito internacional, violando a integridade territorial e realizando o massacre que estamos vendo”, afirmou Boric nesta quarta-feira 19.

Em seguida, afirmou ter “respeito e carinho” por Lula e que “não há diferenças substantivas” entre eles.

“Não me sinto ofendido. Me sinto muito tranquilo. Somos da mesma família política, mas a posição do Chile é uma posição de princípios, em defesa do direito internacional. Temos que ser categóricos, não podemos deixar nenhum espaço para dúvidas.”

Lula e Boric marcaram presença na cúpula da Celac com a União Europeia, espaço de discussão que não ocorria há oito anos. Alguns líderes de esquerda se ausentaram, como López Obrador (México), Dina Boluarte (Peru), Nicolás Maduro (Venezuela) e Daniel Ortega (Nicarágua).

O governo brasileiro tem apresentado diferenças em relação ao Chile na forma de se manifestar sobre a questão ucraniana. Ambos os países condenaram a invasão russa nas Nações Unidas, mas o Brasil se recusa a tratar do tema em outros espaços, ao contrário do Chile.

Um exemplo é a decisão do Brasil de se negar a assinar uma declaração do bloco Summit for Democracy, liderado pela Casa Branca, que defende a responsabilização da Rússia “pelos crimes mais graves sob o direito internacional”. Já o Chile decidiu ser signatário do documento.

O governo brasileiro argumenta que o espaço de discussão sobre o conflito na Ucrânia deve ser a Organização das Nações Unidas. Além disso, Lula tenta articular um grupo de países para mediar a guerra, sob o entendimento de que tanto Vladimir Putin quanto Volodymyr Zelensky “não querem paz”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo