Política

Bolsonaro minimiza crise humanitária de yanomamis: ‘Farsa da esquerda’

O presidente Lula (PT) esteve na localidade junto de equipe ministerial e criticou a omissão do ex-presidente em relação aos povos indígenas

O ex-presidente da República, Jair Bolsonaro (PL). Foto: Alan Santos/PR
Apoie Siga-nos no

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) minimizou a situação de crise humanitária vivenciada pelos povos yanomami e alegou que os relatos se tratam de uma ‘farsa da esquerda’.

O ex-capitão se manifestou em um grupo de Telegram com o envio de um texto alegando que seu governo realizou, de 2020 a 2022, 20 ações de saúde dentro do território indígena.

“Contra mais uma farsa da esquerda, a verdade! De 2020 a 2022, foram realizadas 20 ações de saúde que levaram atenção especializada para dentro dos territórios indígena”, relatou  o ex-capitão, que continuou:

“De 2020 a 2022, foram realizadas 20 ações de saúde que levaram atenção especializada para dentro dos territórios indígenas, especialmente em locais remotos e com acesso limitado. Foram beneficiados mais de 449 mil indígenas, com 60 mil atendimentos. O Governo Federal encaminhou 971,2 mil unidades de medicamentos e 586,2 mil unidades de equipamentos de proteção individual (EPI), totalizando 1,5 milhão de insumos enviados para essas operações”.

O ex-presidente, no entanto, não citou a situação precária em que crianças e adultos do território indígena se encontram.

No sábado 21, o presidente Lula (PT) esteve na localidade com uma equipe ministerial e se surpreendeu com a situação encontrada. Na ocasião, o petista criticou a omissão de Bolsonaro.

“É desumano o que eu vi aqui. Sinceramente, se o presidente que deixou a Presidência esses dias em vez de fazer tanta motociata tivesse vergonha e viesse aqui uma vez, quem sabe esse povo não tivesse tão abandonado como está”, disse, ao anunciar uma força tarefa parta prestar atendimento à população.

O Ministério da Saúde decretou emergência de saúde pública diante à desassistência de saúde encontrada. Segundo o Ministério dos Povos Indígenas, 570 crianças foram mortas pela contaminação por mercúrio, desnutrição e fome. A pasta não detalhou o período exato em que os óbitos teriam ocorrido. No entanto, só em 2022, 99 crianças yanomami morreram em consequência do avanço garimpo ilegal na região. As vítimas foram crianças de um a quatro anos.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo