CartaExpressa

Alckmin evita comentar futuro do Ministério da Justiça após indicação de Dino: ‘cada coisa no seu tempo’

Com a saída do titular da pasta também começam a ganhar força as discussões a respeito do seu substituto

O Vice Presidente da Republica Geraldo Alckmin. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O presidente da República em exercício Geraldo Alckmin (PSB) defendeu, durante conversas com jornalistas nesta terça-feira 28, que o governo não deve voltar a discutir a formação de ministérios neste momento. A declaração foi concedida em meio às especulações sobre o futuro do Ministério da Justiça após a indicação de Flávio Dino para o Supremo Tribunal Federal.

“Não tem que se discutir ministério neste momento, cada coisa no seu tempo. Não tem o que se discutir de ministério agora, cada coisa no seu momento. Agora, a palavra do Senado, depois, a discussão pelo ministério”, afirmou, após evento no Ministério de Desenvolvimento de Indústria e Comércio.

A escolha de Dino para a Corte retomou as discussões sobre um possível fatiamento da pasta para criar o Ministério da Segurança Pública, iniciativa defendida por setores do PT desde o período da transição.

Com a saída do titular da pasta também começam a ganhar força as discussões a respeito do seu substituto.

Alckmin também aproveitou para parabenizar o presidente Lula pelas indicações de Dino e do subprocurador Paulo Gonet Branco, escolhido para comandar a Procuradoria-Geral da República.

“Quero cumprimentar o presidente Lula, que eu acho que marcou dois golaços. Muito bem escolhido, ambos com sólida formação jurídica, experiência e espírito público”, acrescentou o pessebista.

O petista pôs fim a quase dois meses de espera e oficializou as indicações na segunda-feira. Agora, eles precisam ser sabatinados na CCJ do Senado e ter seus nomes avalizados por ao menos 41 senadores.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.