CartaExpressa

Barroso prorroga a suspensão de prazos processuais para ações sobre o RS

Inicialmente, a medida valeria apenas até esta sexta-feira 10. A extensão acolhe um pedido do Conselho Federal da OAB

Presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luís Roberto Barroso. Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF
Apoie Siga-nos no

O presidente do Supremo Tribunal Federal, Luís Roberto Barroso, prorrogou até 31 de maio a suspensão dos prazos processuais para todas as ações em andamento na Corte envolvendo o Rio Grande do Sul ou seus municípios.

A medida também engloba as ações oriundas de varas e tribuais gaúchos ou cujas partes sejam representadas exclusivamente por profissionais inscritos na seccional gaúcha da Ordem dos Advogados do Brasil.

Inicialmente, a suspensão dos prazos valeria apenas até esta sexta-feira 10. A extensão acolhe um pedido do Conselho Federal da OAB.

Ao assinar a prrorogação, Barroso mencionou “as graves consequências decorrentes do Estado de Calamidade Pública no Estado do Rio Grande do Sul”.

Até a tarde desta sexta, a Defesa Civil do estado confirma 116 mortos e 143 desaparecidos em decorrência das fortes chuvas. Há também 756 feridos, 70.772 pessoas em abrigo e 337.346 desalojados.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar