“Vale tudo” virtual cria monstros e torna países ingovernáveis

A comunicação global criou monstros violentos e narcísicos. Vai levar tempo para encontrar um jeito de combatê-los e derrotá-los

Um dos atiradores filma o momento do massacre (Foto: AFP)

Um dos atiradores filma o momento do massacre (Foto: AFP)

Mundo,Opinião

Um terrorista australiano de extrema-direita assassina 50 muçulmanos numa mesquita na Nova Zelândia. Massacre de adolescentes num colégio tornaram-se corriqueiros no mundo inteiro. No sábado 16, Paris viveu cenas de guerrilha urbana: centenas de black blocs, extremistas de esquerda e de direita, depredando, roubando e queimando os comércios do Champs Elysées.

Todos esses acontecimentos têm um denominador comum: as redes sociais. “Todo mundo terá direito a 15 minutos de fama mundial”, previa o mestre do pop art, Andy Warhol.

Com Facebook, Twitter ou Instagram, qualquer um pode virar uma celebridade planetária. Qualquer ideia, qualquer ideologia por mais maluca que seja, qualquer comportamento – se possível os mais inaceitáveis e vergonhosos – ou qualquer mentira e fake news, podem impactar centenas de milhares de indivíduos como um vírus planetário. Influenciando massas que usam as redes para se organizar, espalhar raivas e demandas, e atacar os que pensam diferente.

Leia também: Em manifesto, atirador da Nova Zelândia defende a supremacia branca

Informação imediata e ubíqua

Pela primeira vez na história, a circulação da informação é imediata e ubíqua. Isso adiciona grandes vantagens, mas faz uma vítima de peso: qualquer tipo de autoridade. Cada ideia, cada informação dada pela mídia, pelos professores, pelos políticos, pelos filósofos, pelos cientistas, é imediatamente contestada e atacada por milhares de internautas.

O próprio conceito de “verdade” desaparece. Sobram só “opiniões”. E cada um está convencido que só a dele tem valor. Doa a quem doer. E para tentar impô-la e ganhar seus minutos de celebridade global, quanto mais violento e fora dos eixos melhor. Nesse novo mundo do vale-tudo virtual mingua o espaço das instituições ou autoridades de referência.

Leia também: Holanda: Tiroteio faz vítimas e polícia suspeita de ataque terrorista

Os partidos políticos, os governos, os sindicatos, as pesquisas científicas, as escolas, e até o Estado de direito e a própria Lei perdem a sua função de orientação. O poder das redes é tanto que até os dirigentes políticos e empresariais atropelam os corpos e instituições intermediárias e querem impor suas agendas com mensagens-relâmpago pelo Twitter.

Velas pelas vítimas na Nova Zelândia (Foto: AFP)

Desafio para democracia representativa

Nessa nova era, os países estão se tornando ingovernáveis. Perdeu-se o respeito pela democracia representativa. Como não há mais consenso sobre os objetivos da vida em comum, ninguém mais tem a paciência de esperar pelos resultados concretos dos programas de governo.

Leia também: Os massacres de Christchurch e Suzano e o lado obscuro da internet

Eleger representantes políticos por um período de alguns anos e dar tempo para que tentem dar satisfação parece uma aberração. A reivindicação na moda hoje, é a chamada democracia “participativa” considerada como uma participação direta e permanente de todos os cidadãos a todas as decisões. Acompanhada de referendos revogatórios que permitam destituir um eleito pelo sufrágio universal a qualquer momento.

Claro, se toda autoridade política ou judiciária é constantemente ameaçada por movimentos de opinião e pelo ativismo – violento ou não – de grupelhos de descontentes veiculando crenças e ideologias esdrúxulas, os governos perdem qualquer forma de continuidade. Tornam-se cata-ventos girando ao Deus dará conforme os humores das redes sociais.

Futuro de governos e valores

Quanto aos regimes autoritários, eles podem se manter por mais tempo graças à repressão e ao controle generalizado permitido pelas novas tecnologias. Mas o que o mundo digital faz, ele também desfaz. Governos ditatoriais passam a vida dançando em cima de um vulcão social cada vez mais fora de controle.

Não adianta, porém, chorar o leite derramado. A era da informática e dos algoritmos não vai ser “desinventada”. A verdade é que estamos mudando de época e de valores. Os velhos modelos de produzir, consumir e se comunicar estão parindo um novo mundo. Ninguém, por enquanto, sabe como vai funcionar.

Quais serão as novas formas de governo, de participação social e até de valores morais do século XXI? Para quem vive hoje, o problema é que não há parto sem dor. A comunicação global criou monstros violentos e narcísicos. Vai levar tempo para encontrar um jeito de combatê-los e derrotá-los.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Rádio pública francesa que produz conteúdo em 18 línguas, inclusive português. Fundada em 1931, em Paris.

Compartilhar postagem