Economia

EUA: inflação volta a subir em março, a 2,7% em ritmo anual

No país, os preços da energia subiram 2,6% em um ano, enquanto os preços dos alimentos saltaram 1,5%

Foto: ANDREW CABALLERO-REYNOLDS / AFP
Apoie Siga-nos no

A inflação nos Estados Unidos retomou a tendência de alta em março, a 2,7% em ritmo anual, contra 2,5% em fevereiro, mas manteve a estabilidade em relação ao mês anterior, a 0,3%, segundo o índice PCE – o preferido do Federal Reserve (Fed) -, divulgado nesta sexta-feira.

O relatório do Departamento de Comércio americano também destaca que a renda das famílias registrou um crescimento mais forte em março que em fevereiro, 0,5% contra 0,3%. No entanto, o aumento dos gastos foi de 0,8%, igual ao mês anterior.

A inflação PCE ficou acima da previsão média de 2,6% estabelecida em pesquisa entre economistas feita por Dow Jones Newswires e The Wall Street Journal.

Grande parte do aumento veio do setor de serviços, que registrou avanço de 4,0%.

Entre os itens mais voláteis, os preços da energia subiram 2,6% em um ano, enquanto os preços dos alimentos subiram 1,5%.

Apesar de uma queda expressiva da inflação desde 2022, o índice permanece um desafio nos Estados Unidos, o que reduz a probabilidade de um corte nas taxas de juro por parte do Fed (Banco Central) no meio do ano.

Também dificulta a campanha de reeleição do presidente americano, Joe Biden, no momento em que o democrata tenta convencer o eleitorado ainda cético de que a economia está no caminho correto, antes das eleições de novembro.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo