Justiça

STF envia inquérito contra Weintraub por racismo para a 1ª instância

Celso de Mello alegou que ex-ministro não tem mais foro privilegiado

O ministro da Educação, Abraham Weintraub. Foto: Geraldo Magela / Agência Senado
Apoie Siga-nos no

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou que o ex-ministro da Educação Abraham Weintraub não tem mais foro privilegiado na Corte e enviou o inquérito sobre racismo à 1ª instância. Weintraub responde a uma investigação que apura suposto crime de racismo contra chineses. A informação é do jornal Folha de S. Paulo.

Celso de Mello pediu que a Procuradoria-Geral da República (PGR) se manifeste sobre qual deve ser o órgão responsável para dar prosseguimento à apuração na 1ª instância.

Em 4 de abril, o então chefe da Educação usou uma imagem de gibi para atacar a China. Em referência ao personagem Cebolinha, da Turma da Mônica, Weintraub fez chacota do sotaque asiático e escreveu que o governo chinês sai fortalecido após a pandemia.

A publicação de Weintraub gerou reação da embaixada da China. Em carta pública, a instituição afirmou que a declaração de Weintraub tem “cunho fortemente racista”.

Em 14 de abril, a PGR pediu abertura de inquérito no STF. Em documento, o vice-procurador-geral da República, Humberto Jacques de Medeiros, pediu a investigação sobre “manifestação depreciativa, com a utilização de elementos alusivos à procedência do povo chinês”.

Weintraub deixou o Ministério da Educação na última semana. Dias antes de sair da pasta, ainda provocou mais uma vez a China, em uma publicação que faz piada sobre a parceria de um laboratório chinês com o governo de São Paulo.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo