Política

Weintraub volta a polemizar no Twitter e ataca acordo de Doria com China

Ministro da Educação fez chacota de parceria do governo de São Paulo com laboratório chinês para produzir vacinas contra o coronavírus

O ministro da Educação, Abraham Weintraub. Foto: Gabriel Jabur/MEC
O ministro da Educação, Abraham Weintraub. Foto: Gabriel Jabur/MEC

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, zombou mais uma vez da China em nova publicação em sua rede social. Desta vez, Weintraub fez chacota de uma parceria entre o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), com chineses.

O chefe da Educação escreveu no Twitter, nesta sexta-feira 12, uma frase em que caçoa da parceria: “Sabe com quem o governador Doria fez mais um acordinho? Bem docinho!”. Junto ao post, aparece um vídeo de quatro segundos, com um trecho de um anúncio de Doria, em que diz sobre um “acordo feito com chineses”.

Na ocasião, Doria se referia a um acordo do Instituto Butantan com um laboratório chinês para produzir vacinas contra o novo coronavírus. O anúncio ocorreu na quinta-feira 11, durante coletiva de imprensa. As estimativas iniciais apontam que a vacina poderá estar pronta para distribuição até junho de 2021.

 

Weintraub virou alvo de inquérito do Supremo Tribunal Federal (STF) por racismo contra chineses. Em abril, o ministro fez piada do sotaque chinês e afirmou que o país poderia sair fortalecido da pandemia do novo coronavírus. Após declarações ofensivas à China, a própria embaixada chinesa protestou.

Em depoimento à Polícia Federal, no âmbito do inquérito do STF, Weintraub alegou que a chacota com os chineses foi “humor” e negou prática de racismo. O ministro declarou ainda que não vê “mera ilação” em associar o Partido Comunista Chinês à criação do vírus.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!