Política

Por racismo à China, PGR pede inquérito no STF contra Weintraub

Ministro ridicularizou sotaque dos chineses e sugeriu que o país asiático se beneficia da pandemia do novo coronavírus

O ministro da Educação, Abraham Weintraub. Foto: Carolina Antunes/PR
O ministro da Educação, Abraham Weintraub. Foto: Carolina Antunes/PR

A Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF), nesta terça-feira 14, a abertura de um inquérito contra o ministro da Educação, Abraham Weintraub, para apurar a ocorrência do crime de racismo em declarações contra a China.

No início do mês, Weintraub publicou em sua conta no Twitter um post com uma imagem de gibi, em que satiriza o modo de falar dos chineses. O ministro insinuou que a China será beneficiada pela pandemia do novo coronavírus e trocou a letra “R” por “L” em sua mensagem, fazendo referência ao personagem Cebolinha para ridicularizar o sotaque de asiáticos.

Imediatamente, o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, acusou Weintraub de racismo e afirmou que as declarações do ministro causam “influências negativas no desenvolvimento saudável das relações bilaterais China-Brasil”. O chefe da Educação apagou a publicação de sua conta, mas a decisão não evitou novos desdobramentos.

Em documento ao STF, o vice-procurador-geral da República, Humberto Jacques de Medeiros, pede a investigação sobre “manifestação depreciativa, com a utilização de elementos alusivos à procedência do povo chinês”, por parte de Weintraub.

“Esse comportamento configura, em tese, a infração penal prevista na parte final do art. 20 da Lei nº 7.716/1989, que define os crimes resultantes de preconceito”, sustenta Medeiros.

O pedido de abertura de inquérito por racismo havia sido solicitado à PGR pelos deputados da bancada do PSOL na Câmara. Além disso, os parlamentares exigiram indenização a ser paga pelo ministro. O dinheiro seria revertido para organizações de direitos humanos de acolhimento aos imigrantes.

CartaCapital solicitou o posicionamento do Ministério da Educação, mas não obteve resposta.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!