STF dá 48 horas para Anvisa explicar suspensão de testes com Coronavac

Estudos foram suspensos após morte de voluntário, mas instituições afirmam que a ocorrência não tem relação com a vacina

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF). Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF). Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF

Justiça

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), estabeleceu o prazo de 48 horas para a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) explicar a suspensão dos testes com a vacina chinesa desenvolvida pelo laboratório Sinovac em parceria com o Instituto Butantan.

 

 

Em decisão desta terça-feira 10, Lewandowski responde às Arguições de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 754 e 756, movidas por partidos da oposição, contra medidas adotadas pelo presidente Jair Bolsonaro em relação à vacina.

“Determino à Anvisa que, no prazo de 48 horas, preste informações complementares àquelas já ofertadas pela Presidência da República e pela Advocacia-Geral da União (AGU), acerca dos critérios utilizados para proceder aos estudos e experimentos concernentes à vacina referida, bem como sobre o estágio de aprovação desta e demais vacinas contra a Covid-19“, escreveu o magistrado.

Na noite de segunda-feira 9, a Anvisa anunciou que os testes do imunizante foram interrompidos por “evento adverso grave”. Em tom de crítica à decisão, o diretor do Butantan, Dimas Covas, disse que o evento não tem relação com a vacina. De acordo com a TV Cultura, a informação preliminar é de que um voluntário de 33 anos que participava dos testes cometeu suicídio.

Em nota, a Comissão Nacional de Ética em Pesquisas (Conep), ligada ao Ministério da Saúde, defendeu a manutenção dos ensaios clínicos, porque “o óbito não tem relação com qualquer evento colateral dos estudos”.

Mais cedo, partidos de oposição protocolaram requerimentos em que pedem a convocação do presidente da Anvisa, Antônio Barra Torres, ao Congresso Nacional, para prestar depoimento sobre a medida adotada.

 

Anvisa recebe manifestação de comitê internacional

No fim da tarde desta terça-feira 10, a Anvisa informou que recebeu um documento emitido pelo Comitê Internacional Independente de análise do “evento adverso grave” relativo à vacina da Sinovac.

“O presente documento encontra-se neste momento sob análise do grupo interno da Anvisa. Este grupo acompanha e faz todas as análises do desenvolvimento de protocolos vacinais, sob a liderança da Gerência Geral de Medicamentos”, diz nota.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem