Justiça

A nova cartada de Mauro Cid em busca de liberdade provisória

O tenente-coronel foi preso novamente após criticar o modo como sua delação premiada foi conduzida pela Polícia Federal

Mauro Cid na CPMI do 8 de Janeiro. Foto: Geraldo Magela/Agência Senado
Apoie Siga-nos no

O tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro (PL), pediu a revogação da sua prisão preventiva ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, nesta terça-feira 23.

O militar foi preso há um mês por ordem do magistrado, após criticar em áudios o modo como sua delação premiada foi conduzida pela Polícia Federal.

Na ocasião, Moraes entendeu que Cid teria descumprido as medidas cautelares impostas pelo STF e agido para obstruir as investigações, porque não preservou o sigilo de sua colaboração.

Antes de ser preso, o tenente-coronel prestou explicações ao Supremo sobre os áudios, revelados pela revista Veja. Nas gravações, ele afirmou ter sido pressionado a relatar coisas que não aconteceram e disse que assuntos jamais abordados constariam da delação.

No pedido enviado a Moraes, os advogados de Cid negam ter havido qualquer tentativa de embaraço às investigações e sustentam que a prisão é “desnecessária”.

Mauro Cid é considerado uma das principais peças da apuração sobre a trama golpista de 2022, envolvendo Bolsonaro, ministros de seu governo e integrantes das Forças Armadas. A delação premiada foi firmada em setembro passado e segue sob sigilo.

O ex-ajudante de ordens foi preso pela primeira vez em maio de 2023, no âmbito da operação sobre a fraude em cartões de vacinação de Bolsonaro, parentes e assessores. Ficou detido por seis meses e deixou a cadeia após acertar a colaboração.

Ao libertá-lo, contudo, Moraes impôs algumas medidas cautelares, a exemplo do uso de tornozeleira eletrônica, do cancelamento de passaportes e de restrições a viagens. Cid também ficou impedido de se comunicar com outros investigados e foi obrigado a se apresentar semanalmente à Justiça.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo