CartaExpressa

Moraes atende PGR e manda a PF aprofundar investigações contra Monark

Gonet apontou que o influenciador continuava a desobedecer decisão judicial, mas pediu mais apuração

Monark criou novos perfis para reproduzir conteúdo com desinformação já vedado pelo STF . Foto: Flow Podcast/Reprodução
Apoie Siga-nos no

O ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes acatou uma recomendação da Procuradoria-Geral da República e solicitou à Polícia Federal que aprofunde as investigações sobre o influenciador Bruno Aiub, conhecido como Monark.

Moraes, relator do caso, fixou um prazo de 30 dias para as apurações.

Em 26 de abril, o procurador-geral da República, Paulo Gonet, apontou que Monark continuava a desobedecer decisão judicial, mas defendeu que a PF realizasse mais investigações sobre o caso. O chefe do Ministério Público Federal disse haver indícios de “materialidade e autoria delitivas, que, no entanto, ainda demandam esclarecimento”.

Em janeiro, a Polícia Federal concluiu, após investigação, que o influencer criou perfis para reproduzir conteúdo com desinformação, já vedado pelo STF, e tentou lucrar com o material, descumprindo decisão judicial. As contas de Monark foram bloqueadas.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar