CartaExpressa

Defesa de Cid contesta áudio sobre delação divulgado pela Veja

Segundo advogados do tenente-coronel, gravação ‘parece clandestina’ e ‘de forma alguma, compromete a lisura, seriedade e correção dos termos da colaboração’ firmada com a PF e homologada pelo STF

Brasília (DF) 11/07/2023 Depoimento para CPMI do golpe do tenente-coronel Mauro César Barbosa Cid, ex-ajudante-de-ordens do então presidente Jair Bolsonaro. Foto Lula Marques/ Agência Brasil.
Apoie Siga-nos no

A defesa do tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro (PL), afirmou que o áudio revelado na noite de quinta-feira 20 pela revista Veja, em que ele supostamente faz críticas à Polícia Federal e ao Supremo Tribunal Federal, “parece clandestino”.

Segundo os advogados, a gravação, classificada como um ‘desabafo em um momento difícil’, teria sido acessada ilegalmente pela publicação e não colocaria em xeque a delação do militar.

Na suposta gravação de Cid divulgada pela revista é possível ouvir duras críticas ao ministro Alexandre e Moraes, do Supremo Tribunal Federal, bem como indicações que apontariam discordância do ex-ajudante de ordens com o acordo de delação premiada. Polícia Federal e Procuradoria-Geral da República também recebem críticas na gravação.

“Eles são a lei agora. A lei já acabou há muito tempo, a lei é eles. Eles são a lei. O Alexandre de Moraes é a lei. Ele prende, ele solta quando quiser, como ele quiser, com Ministério Público, sem Ministério Público, com acusação, sem acusação”, teria dito Cid no suposto áudio.

“Eles já estão com a narrativa pronta, eles não queriam que eu dissesse a verdade, eles queriam só que eu confirmasse a narrativa deles. Entendeu? É isso que eles queriam”, diz então a voz sobre a delação.

Para a defesa, porém, Cid “em nenhum momento coloca em xeque a independência, funcionalidade e honestidade da Polícia Federal, da Procuradoria-Geral da República ou do Supremo Tribunal Federal na condução dos inquéritos em que é investigado e colaborador, aliás, seus defensores não subscrevem o conteúdo de seus áudios”.

Os advogados alegam ainda que o áudio parece ter sido captado de forma ilegal e se trataria apenas de um “desabafo” em um momento de crise.

“Referidos áudios divulgados pela revista Veja, ao que parecem clandestinos, não passam de um desabafo em que relata o difícil momento e a angústia pessoal, familiar e profissional pelos quais está passando”, justificam os advogados.

Por fim, o comunicado, assinado por Cezar Roberto Bitencourt, Vânia Adorno Bitencourt e Jair Alves Pereira, reforça “a lisura” da delação, que colocou Jair Bolsonaro no centro da falsificação do certificado de vacinação, crime pelo qual foi indiciado, e apontou participação direta do ex-capitão, auxiliares e militares na tentativa de golpe de Estado, ainda em investigação.

[As gravações] de forma alguma, comprometem a lisura, seriedade e correção dos termos de sua colaboração premiada firmada perante a autoridade policial, na presença de seus defensores constituídos e devidamente homologada pelo Supremo Tribunal Federal nos estritos termos da legalidade”, finaliza a nota divulgada pela defesa do militar.

A Veja não comentou a nota dos advogados.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.