Educação

Renato Feder é o novo secretário de Educação em São Paulo, anuncia Tarcísio

O empresário promoveu um edital para privatizar a gestão de escolas públicas e ampliou massivamente o número de escolas militarizadas no Paraná

O secretário da educação de São Paulo, Renato Feder. Foto: Reprodução/YouTube
Apoie Siga-nos no

O governador eleito de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos) confirmou, nesta segunda-feira 21, o nome de Renato Feder, atual secretário de educação do Paraná, para o comando da mesma pasta em São Paulo. O secretário já deixou o cargo anterior.

“Um nome vocês já vazaram, né? [Feder] vai ser o secretário de Educação. [Outras pastas-chave] vão sair em breve, estamos discutindo bastante. À medida que a gente for fechando os nomes, a gente vai dando conhecimento”, disse Tarcísio, que já tinha tido o aceite de Feder ao cargo na semana passada.

Natural de São Paulo e formado em administração pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e mestre em economia pela Universidade de São Paulo (USP), Feder assumiu a secretaria de Educação no Paraná em 2019, por escolha do governador Ratinho Junior (PSD).

Um de seus últimos feitos frente à pasta foi a abertura de um edital, no fim de outubro, para privatizar a gestão de 27 escolas estaduais a partir do próximo ano.

Feder também esteve à frente de um contrato estabelecido entre a secretaria de educação e a faculdade privada Unicesumar, que passou a oferecer teleaulas para os cursos de ensino médio profissionalizante.

Sua gestão no estado promoveu ainda a maior ampliação de escolas militarizadas do  País. No Paraná, ao menos 195 escolas estaduais passaram a ter o modelo defendido por Jair Bolsonaro e seus apoiadores.

Como secretário, Feder terá como principal desafio enfrentar a falta de professores na rede estadual, que afeta sobretudo os estudantes do Ensino Médio, no contexto da reforma em andamento. O estado, que reúne 3,5 milhões de alunos e 210 mil docentes, está há nove anos sem concurso público para professores.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo