CartaExpressa

Tarcísio defende aumento de seu salário, com efeito sobre outras carreiras

Caso o projeto seja aprovado pela Alesp, o salário do próximo governador paulista passará de R$ 23.048,59 para R$ 34.572,89

O governador de São Paulo Tarcísio de Freitas. Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O governador eleito de São Paulo Tarcísio de Freitas (Republicanos) defendeu, nesta quinta-feira 17, o projeto de lei em tramitação na Assembleia Legislativa que concede aumento de 50% nos salários do próximo governador e de seu vice, a partir de 2023.

Caso o texto seja aprovado, o salário do governador paulista passará de 23.048,59 para 34.572,89 reais. Já o salário do vice saltará de 21.896,27 para 32.844,41 reais. Haverá também um reajuste em cascata dos vencimentos de funcionários públicos de carreira.

Tarcísio foi questionado por jornalistas sobre a viabilidade do reajuste de 50% e pediu “responsabilidade” no debate sobre o tema.

“Quando você fala em aumento do salário do governador, dali sai a baliza para o teto do funcionalismo. Então, no final das contas, isso impacta uma série de carreiras e impede que uma série de profissionais tenham aumento real – e já estão com perda salarial, porque esse teto está congelado desde 2019”, alegou o bolsonarista.

Na semana passada, o governador Rodrigo Garcia (PSDB) afirmou que o projeto de lei, se avalizado pela Alesp, terá um impacto de 1,5 bilhão de reais sobre os cofres do estado a partir do ano que vem.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.