De estudante a quase aposentado: como é e como fica a Previdência

CartaCapital calculou o que muda para seis perfis bastante afetados pela proposta de Bolsonaro

(Foto: Marcelo Camargo/EBC)

(Foto: Marcelo Camargo/EBC)

Economia,Política

A Reforma da Previdência apresentada pelo governo de Jair Bolsonaro promete cortar privilégios e cobrar mais de quem paga mais. O discurso é bonito, mas o que será que ocorrerá se o texto enviado à Câmara for aprovado?

Fato: ela corrige algumas distorções. Um exemplo é a aposentadoria dos funcionários públicos. Um servidor que ganha 25 mil reais, por exemplo, hoje contribui com 2,7 mil reais à Previdência (alíquota de 11%). Com a alíquota da reforma, de 15%, teria que pagar todo mês 3,7 reais a mais.

Mas a proposta é ainda mais dura com os mais pobres. No caso de um trabalhador que recebe salário mínimo, essa taxa caiu de 9% para 7,5%. A economia, no fim das contas, é pouca: cerca de 15 reais por mês. Sem falar nas mudanças para os idosos e deficientes miseráveis.

Especialistas avaliam que o projeto aprofunda a desigualdade de gênero, fragiliza a Previdência e, no longo prazo, pode tornar uma massa de idosos miseráveis, dependentes de um benefício menor que o salário mínimo.

CartaCapital calculou o que muda para seis perfis bastante afetados pela proposta de Bolsonaro. Os dados são da calculadora do Dieese, criada em 2016 sob a proposta de Temer e adaptada pela redação às regras da Previdência de Bolsonaro.

Estudante de 20 anos ingressando no mercado de trabalho

Prepare o guaraná em pó: será uma vida com pelo menos cinco anos a mais na labuta

Regra atual de aposentadoria: 65 anos, depois de ter contribuído por, pelo menos, 15 anos. E receberá 85% da média do salário de contribuição

Regra nova de aposentadoria: 65 anos, depois de ter contribuído por, pelo menos, 20 anos. E receberá 60% da média do salário de contribuição. A idade pode aumentar quando a expectativa de vida dos brasileiros subir

Quando receberá aposentadoria integral?

Regra atual: 40 anos de contribuição e estará com 60 anos

Proposta do governo: 40 anos de contribuição e estará com, pelo menos, 65 anos

Trabalhadora rural de 43 anos com 5 anos de contribuição

Você precisaria de mais trinta anos de trabalho para conseguir aposentadoria integral

Regra atual de aposentadoria: 55 anos, depois de ter contribuído por, pelo menos, 10 anos. E receberá 85% da média do salário de contribuição

Regra nova de aposentadoria: 60 anos, depois de ter contribuído por, pelo menos, 15 anos. E receberá 60% da média do salário de contribuição

Quando receberá aposentadoria integral?

Regra atual: aos 68 anos, caso contribua por mais 25 anos

Proposta do governo: aos 78 anos (limite para aposentadoria compulsória), caso contribua por mais 35 anos

Mulher de 37 anos com 13 anos de contribuição

Pode se preparar para trabalhar seguidamente até os 64 para ter aposentadoria integral

(Foto: Cauê Gomes)

Regra atual de aposentadoria: aos 60 anos, depois de ter contribuído por, pelo menos, mais 2 anos. E receberá 85% da média do salário de contribuição

Regra nova de aposentadoria: aos 62 anos, depois de ter contribuído por, pelo menos,  mais 7 anos. E receberá 60% da média do salário de contribuição.

Quando receberá aposentadoria integral?

Regra atual: aos 57 anos, caso contribua por mais 20 anos (considerando o fator previdenciário)

Proposta do governo: aos 64 anos, pelo menos, caso contribua por mais 27 anos

Homem de 60 anos com trinta anos de contribuição

Quase uma vida de trabalho. O governo acha pouco e pede mais dez anos de contribuição

Regra atual de aposentadoria: aos 65 anos. E receberá 100% da média do salário de contribuição

Regra nova de aposentadoria: aos 65 anos. E receberá 80% da média do salário de contribuição

Quando receberá aposentadoria integral?

Regra atual: aos 65 anos, caso contribua por mais 5 anos

Proposta do governo: aos 70 anos, caso contribua por mais 10 anos

Professora de 43 anos com vinte anos de serviço público

Hoje você se aposenta com 100% dos vencimentos aos 56 anos. Irá para 63 anos

Regra atual de aposentadoria: aos 50 anos. E receberá 90% da média do salário

Regra nova de aposentadoria: aos 60 anos, depois de ter contribuído por, pelo menos, mais 10 anos. E receberá 60% da média do salário de contribuição

Quando receberá aposentadoria integral?

Regra atual: aos 56 anos, caso contribua por mais 13 anos

Na proposta do governo: aos 63 anos, caso contribua por mais 20 anos

Funcionário público de 32 anos com 7 anos de serviço

O governo quer você por mais 33 anos, com 33 anos de contribuição

Regra atual de aposentadoria: aos 60 anos, depois de ter contribuído por, pelo menos, mais 5 anos. E receberá 85% da média do salário de contribuição

Regra nova de aposentadoria: aos 65 anos, caso contribua por mais 18 anos. E receberá 60% da média do salário de contribuição

Quando receberá aposentadoria integral?

Regra atual: aos 61 anos, caso contribua por mais 28 anos

Proposta do governo: aos 65 anos, caso contribua por mais 33 anos.

 

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Editora-executiva do site de CartaCapital

Compartilhar postagem