…

Idosos e aposentadoria rural: reforma de Bolsonaro favorece a miséria

Economia,Política

Embora tenha prometido atingir só o andar de cima, a reforma proposta por Jair Bolsonaro traz uma série de mudanças que prejudica a parcela mais pobre da sociedade.

Um grande exemplo é o benefício de prestação continuada (BPC), oferecido a idosos e deficientes em situação de vulnerabilidade. Pelas regras atuais, os idosos pobres têm direito a receber um salário mínimo a partir dos 65 anos. Na proposta do governo, os idosos miseráveis só poderão pleitear o salário mínimo a partir dos 70 anos. Antes dessa idade, o benefício será de apenas 400 reais.

Leia também: Reforma da Previdência endurece regime de servidores. Veja a íntegra

A PEC também endurece as regras de aposentadoria rural, especialmente para as trabalhadoras. Fica estabelecida a mesma idade mínima para homens e mulheres: 60 anos. Também foi extinto o tempo mínimo de atividade rural, que amparava os trabalhadores sem registro formal. Será substituído por tempo de contribuição (20 anos).

No caso dos segurados especiais, a contribuição incide sobre a produção. A contribuição mínima anual para cada família é de 600 reais.

Leia também: Laranjal e 1ª derrota dificultam a aprovação da Reforma da Previdência

A aposentadoria por invalidez passará a ser calculada pelo tempo de contribuição. O trabalhador receberá 60% da média dos salários, mais 2% a cada ano que exceder os vinte anos de contribuição. Benefício integral, só nos casos de acidente de trabalho.

As pensões por morte também diminuirão. Até agora, a Previdência oferece 100% da média, desde que não ultrapasse o teto de 5,6 mil reais, e mais 70% do valor que passa desse teto. Com a nova PEC, a taxa cai para 60%, com um acréscimo de 10% por dependente.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Editora-executiva do site de CartaCapital

Compartilhar postagem