Cultura

Morte de Rita Lee tem forte repercussão internacional: “livre, rebelde, visionária, ícone do rock”

A cantora faleceu aos 75 anos nesta terça-feira

A estrela do rock brasileiro, Rita Lee. Foto: reprodução
Apoie Siga-nos no

A morte de Rita Lee tem forte repercussão na imprensa internacional. Jornais, emissoras de rádio e TV noticiam com destaque o falecimento da “cantora, compositora, arranjadora, membro do mítico grupo de rock Os Mutantes”, nesta terça-feira (9), aos 75 anos.

O site da rádio Nova, uma das emissoras mais envolvidas na divulgação da Música Popular Brasileira na França, desde os anos 1980, colocou rapidamente em sua homepage a retransmissão de um programa recente dedicado à cantora, gravado em 20 de março.

Na emissão “Classico: Lança Perfume”, a jornalista e crítica musical Véronique Mortaigne, ex-colunista do Le Monde, atual colaboradora da Nova e da Vanity Fair, fala sobre a trajetória de Rita.

“Infinitamente livre, suas letras enfrentam os tabus dos anos 1980: o sexo, a homossexualidade, a cultura queer, o aborto, o debate sobre uma legislação para a maconha e a violência policial, entre tantos outros assuntos”, diz a jornalista no programa. Mortaigne acabava de retornar de uma viagem ao Brasil e comentou o frágil estado de saúde de Rita Lee, já bastante afetada pelo câncer no pulmão.

“Rita Lee era uma legenda do rock”, exclama o canal BFMTV. Em um texto curto, mas acompanhado da mensagem de falecimento publicada por Roberto de Carvalho e a família no Instagram, BFMTV conta que a cantora lutava contra o câncer desde 2021.

“Cantora e musicista, Rita Lee teve uma rica discografia, assim como os sucessos dos anos 1980 ‘Lança Perfume’ ou ‘Saúde'”, diz o jornal Le Parisien. Esses dois hits são programados com certa frequência na FM francesa.

O jornal Público também homenageia a artista. “A cantora e compositora brasileira Rita Lee ficará para sempre como a eterna rainha do rock brasileiro, apesar de ter seguido muitos outros gêneros musicais”, escreve o diário português, que também elogia suas qualidades de autora, como uma “escrita clara e impiedosa, salpicada de ironia, humor e amor”.

Visionária e inspiradora

A agência AFP fala da cantora como “a rainha rebelde do rock brasileiro”. Uma artista “rebelde, visionária e inspiradora de várias gerações de mulheres” no Brasil. O texto recorda que Rita Lee Jones estreou como cantora na banda feminina Teenage Singers, cantando covers de The Beatles e outros grupos internacionais. Depois, em 1966, formou o trio de rock psicodélico Os Mutantes, com o qual alcançaria fama nacional no auge da Tropicália, um movimento libertário que revolucionou a música brasileira durante a Ditadura Militar (1964-1985). Mas foi com Caetano Veloso e Gilberto Gil, líderes do movimento, que Rita Lee descobriu seu “lado brasileiro”.

Separada de Os Mutantes em 1972, ela seguiu com a banda Tutti Frutti e, depois, com carreira solo. “Foi uma mulher pioneira no cenário musical. Suas roupas extravagantes e canções irreverentes, que falavam de sexo, amor e liberdade, tornaram-se símbolos feministas”, continua a agência.

Seus inúmeros sucessos incluem “Ovelha Negra” (1975), “Mania de Você” (1979), “Lança Perfume” (1980) e “Amor e sexo” (2003).

Em 50 anos de carreira, ela lançou mais de 30 álbuns, foi indicada sete vezes ao Grammy Latino e venceu uma vez em 2001, na categoria de Melhor Álbum de Rock Brasileiro, com “3001”. A Academia Latina da Gravação concedeu-lhe o Prêmio de Excelência Musical em 2022 pelo conjunto de sua obra.

“Vanguardista e inovadora”, a artista que começou no Tropicalismo se abriu para outros ritmos, lembra o jornal argentino El Clarín. “Ela vendeu cerca de 60 milhões de discos”, completa o diário.

Em 2012, Rita Lee anunciou sua aposentadoria dos palcos aos 64 anos, alegando “fragilidade física”. Desde então, vivia reclusa em sua casa de campo no interior do estado de São Paulo, com o marido, Roberto de Carvalho, a frequente visita dos três filhos, e seus animais, outra de suas grandes paixões.

‘Padroeira da liberdade’

Nas imagens que compartilhou em suas redes sociais recentemente, apareceu com cabelos curtos, vestindo pulôveres coloridos. Fiel ao seu estilo rebelde, em 2022 ela revelou à revista Rolling Stone Brasil que o papel de “rainha do rock” nacional atribuído a ela por brasileiros de todas as idades não lhe convencia totalmente.

“Gosto mais de ser chamada de ‘padroeira da liberdade’ do que ‘rainha do rock’, o que acho um tanto cafona…”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo