CartaExpressa

STJ retoma julgamento que pode destravar o cumprimento da pena de Robinho no Brasil

Ex-jogador foi condenado por estupro na Itália, mas fugiu para o Brasil antes do início da pena de 9 anos de prisão

O ex-jogador Robinho. Foto: Ricardo Saibun/Santos FC
Apoie Siga-nos no

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) dará continuidade, nesta quarta-feira 16, ao julgamento sobre a condenação por estupro, na Itália, do ex-jogador de futebol Robinho. O colegiado é composto pelos ministros mais antigos do tribunal.

O relator do caso é o ministro Francisco Falcão, que negou um pedido de Robinho para que o governo italiano enviasse a cópia integral e traduzida do processo ao Brasil. 

O julgamento de hoje trata de uma Homologação de Decisão Estrangeira, uma vez que caberá ao STJ decidir se Robinho cumprirá, no Brasil, a pena de 9 anos de prisão a qual foi condenado no país europeu. O pedido para que a sentença emitida pela Justiça italiana fosse executada no Brasil foi feito pelo próprio governo da Itália.

Por se tratar de um procedimento que tem como objetivo verificar a possibilidade de Robinho cumprir ou não a sua pena no Brasil, os ministros do STJ não irão analisar o mérito da ação. Ou seja, não cabe ao STJ julgar se Robinho cometeu ou não crime de estupro na Itália, uma vez que o caso, em si, já foi decidido. 

Portanto, caso os ministros do tribunal verifiquem que os requisitos formais para cumprimento de pena no Brasil estejam cumpridos, o ex-jogador será encaminhado ao sistema prisional.

O crime aconteceu em 2013, em uma boate em Milão, no período em que Robinho atuava pelo clube Milan. Ele e outras quatro pessoas foram condenados por estupro coletivo a uma mulher de origem albanesa.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.