CartaExpressa

Milton Ribeiro pediu orações por causa de ação no STF em culto três dias antes de ser preso

Pedido foi feito durante culto na igreja Presbiteriana Jardim de Oração de Santos, onde ele é pastor

O ex-ministro Milton Ribeiro
Apoie Siga-nos no

Três dias antes de ser preso, o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro pediu oração aos fiéis da igreja onde é pastor por conta de uma ação que responde no Supremo Tribunal Federal (STF) por homofobia. A fala foi feita durante o culto da Igreja Presbiteriana Jardim de Oração de Santos, em São Paulo, no último domingo.

— Quero também pedir aos irmãos que orem por mim. Semana passada fui informado que tem uma ação contra mim por homofobia, porque eu me neguei a permitir que crianças de 6 a 10 anos fossem expostas a ideologia de gênero. Não é nada para os irmãos se envergonharem de mim, mas eu gostaria muito que os irmãos orassem por mim. Essa semana devo ir para Brasília, então gostaria de contar com as orações dos irmãos — falou o ex-ministro.

Milton Ribeiro foi denunciado ao STF em janeiro deste ano pela Procuradoria-Geral da República. Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, o pastor afirmou que a homossexualidade não seria normal e atribuiu sua ocorrência a “famílias desajustadas”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.