CartaExpressa

Manter a memória sobre o golpe de 64 é crucial para evitar a repetição da tragédia, diz Dilma

A ex-presidenta afirmou que a História não apaga a traição à democracia e os atos de perversidade da ditadura

Dilma Rousseff em auditoria militar no Rio de Janeiro, em 1970. Foto: Arquivo Nacional da Comissão da Verdade
Apoie Siga-nos no

A ex-presidenta Dilma Rousseff (PT) defendeu neste domingo 31 “manter a memória e a verdade histórica” sobre o golpe de 1964 a fim de evitar a repetição da tragédia, “como quase ocorreu recentemente, em 8 de Janeiro de 2023″.

Ao recuperar o contexto em que militares arrancaram João Goulart da Presidência e tomaram ilegalmente o poder, ela afirmou que forças reacionárias traíram a democracia e eliminaram “as conquistas culturais, sociais e econômicas da sociedade brasileira”.

“No passado, como agora, a História não apaga os sinais de traição à democracia e nem limpa da consciência nacional os atos de perversidade daqueles que exilaram e mancharam de sangue, tortura e morte a vida brasileira durante 21 anos”, prosseguiu, em publicação no X. “Tampouco resgata aqueles que apoiaram o ataque às instituições, à democracia e aos ideais de uma sociedade mais justa e menos desigual. Ditadura nunca mais!”

A manifestação de Dilma, presa e torturada na ditadura militar, surge em meio ao veto do presidente Lula (PT) a atos institucionais de seus ministérios sobre o golpe. Trata-se de uma tentativa de insistir no caminho da pacificação com as Forças Armadas. Em 28 de fevereiro, por exemplo, o petista afirmou que não deseja “remoer o passado”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.