CartaExpressa

Paulo Pimenta é escolhido por Lula como autoridade federal para atuar no RS

Pimenta, que é gaúcho, tem sido visto como uma liderança no enfrentamento à calamidade

Brasília (DF) 07/09/2023 - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (d) conversa com ministro Paulo Pimenta, participam do desfile militar em comemoração da independência do Brasil. Foto: Joédson Alves/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O ministro da Secretaria de Comunicação Social (Secom), Paulo Pimenta, foi escolhido pelo presidente Lula (PT) como autoridade federal para atuar no Rio Grande do Sul durante a calamidade que afeta o estado. A ideia é que a autoridade coordene uma estrutura administrativa das ações federais na região.

O ministro deve ser anunciado nesta quarta-feira 15, quando serão divulgadas novas medidas de socorro à população gaúcha em uma nova visita de Lula ao estado. Esta será a terceira ido do presidente ao RS desde o início da crise climática, no fim de abril.

Pimenta, que nasceu em Santa Maria (RS), é deputado federal licenciado. O ministro tem sido visto como uma liderança no governo Lula no enfrentamento à calamidade.

Neste período, a Secom vai ficar no comendo, interinamente, do jornalista Laércio Portela

Balanço

A Defesa Civil do Rio Grande do Sul confirmou, até esta terça-feira 14, um total de 149 mortes em decorrência das chuvas e enchentes. O estado tem, ainda, 122 pessoas desaparecidas, segundo boletim divulgado às 18h.

O total de desalojados pelas enchentes chega a 538.245 pessoas. E os efeitos dos temporais já são sentidos por dois em cada dez moradores do Rio Grande do Sul.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.