CartaExpressa

Governo Lula libera R$ 430 milhões para ações contra a estiagem no Rio Grande do Sul

Na quinta 23, uma comitiva de ministros viajará ao estado para acompanhar os efeitos da seca

O presidente Lula em reunião com ministros em 22 de fevereiro. Foto: Ricardo Stuckert
Apoie Siga-nos no

O governo Lula autorizou nesta quarta-feira 22 o repasse de 430 milhões de reais para ações emergenciais de enfrentamento à estiagem no Rio Grande do Sul.

O montante será destinado às áreas de agricultura, desenvolvimento social e defesa civil. O presidente liberou os recursos durante reunião com ministros no Palácio da Alvorada.

Na quinta 23, uma comitiva de ministros viajará ao estado para acompanhar os efeitos da seca. No Sul, há ao todo 300 municípios em situação de emergência, dos quais 200 têm o reconhecimento da União.

Durante a viagem, devem ser anunciadas medidas de auxílio aos atingidos pela seca, a exemplo de uma linha de crédito emergencial voltada a pequenos e médios produtores.

Integrarão a comitiva os ministros da Integração e do Desenvolvimento Social, Waldez Góes; do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar, Paulo Teixeira; da Agricultura e Pecuária, Carlos Fávaro; do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome, Wellington Dias; e da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, Paulo Pimenta, além do presidente da Companhia Nacional de Abastecimento, Edegar Pretto.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar