CartaExpressa

Embaixador do Brasil não deve voltar a Israel, diz Celso Amorim

‘Não havia alternativa. Nosso embaixador foi humilhado’, afirmou o ex-chanceler, assessor especial do presidente Lula

O ex-chanceler Celso Amorim em agenda em Paris, em 9 de novembro de 2023. Foto: Ludovic Marin/AFP
Apoie Siga-nos no

O assessor especial da Presidência da República Celso Amorim afirmou, nesta sexta-feira 24, que o embaixador do Brasil em Israel, Frederico Meyer, não deve voltar ao cargo.

O governo brasileiro chamou Meyer a Brasília em fevereiro, quando o chanceler israelense, Israel Katz, submeteu o embaixador a uma reprimenda pública no Museu do Holocausto, em Jerusalém, após o presidente Lula (PT) comparar indiretamente a ofensiva de Israel em Gaza ao Holocausto.

“Não havia alternativa. Nosso embaixador foi humilhado”, disse Amorim em Pequim, na China, onde cumpre agenda oficial, citado pelo jornal O Globo. “Acho que ele não volta. Se vai outro eu não sei, mas ele não volta. Ele foi humilhado pessoalmente e, com isso, o Brasil é que foi humilhado. A intenção foi humilhar o Brasil.”

A nova guerra entre Israel e Hamas começou em 7 de outubro, quando integrantes do grupo palestino lançaram um ataque contra o território israelense e mataram mais de 1.170 pessoas, segundo um balanço da agência AFP baseado em dados oficiais israelenses.

Na sequência, porém, Israel deflagrou uma ofensiva contra a Faixa de Gaza que já deixou cerca de 35,8 mil mortos, principalmente civis, conforme dados do Ministério da Saúde do enclave.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar