CartaExpressa

‘Comigo não passa’, diz Carlos Lupi sobre proposta de desvinculação do salário mínimo

A medida impediria que rea­justes do mínimo fossem estendidos a aposentadorias e outros benefícios

O ministro da Previdência Social, Carlos Lupi. Foto: Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

O ministro da Previdência Social, Carlos Lupi (PDT), disparou contra a proposta de desvincular benefícios previdenciários do reajuste do salário mínimo. A medida conta com a defesa da ministra do Planejamento, Simone Tebet (MDB).

“A Previdência Social, sob a tutela do PDT, que estou representando, jamais aceitará qualquer retirada de dinheiro”, disse Lupi no congresso do partido, na quinta-feira 23. “Arranjem outro, que comigo não passa.”

Na prática, uma eventual desvinculação impediria que rea­justes do salário mínimo fossem estendidos a aposentadorias e demais benefícios pagos pelo INSS.

Dias depois de a ideia de Tebet vir à tona, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT), afirmou em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo não ver “muito espaço” para discuti-la.

O time de Simone Tebet e o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, o Ipea, produzirão estudos até o fim deste ano sobre o que aconteceria se houvesse a desvinculação entre o reajuste do mínimo e a correções de valores previdenciários. A intenção é ter conclusões em 2025.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.