CartaExpressa

Rio Grande do Sul contabiliza R$ 10,4 bilhões em prejuízos; setor habitacional lidera danos

Deste total, 4,6 bi representam os danos do setor habitacional

Porto Alegre - Comerciantes retiram entulho e limpam lojas para retomar negócios no centro histórico da cidade - Foto Rafa Neddermeyer/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

As tempestades que castigaram o Rio Grande do Sul nas últimas semanas já somam mais de 10,4 bilhões de reais em prejuízos, aponta um boletim parcial divulgado pela Confederação Nacional dos Municípios nesta sexta-feira 24.

Deste total, 4,6 bi representam os danos do setor habitacional.

O boletim mais recente da Defesa Civil aponta que as enchentes deixaram mais de 108 mil casas destruídas e vitimou ao menos 163 pessoas.

Cerca de 775 mil pessoas estão desabrigadas e outras 63 permanecem desaparecidas.

De acordo com a CNM, o número de desabrigados em razão das chuvas no RS já é maior do que o total de pessoas desalojadas e desabrigadas em 16 estados juntos, considerando-se todos os tipos de desastres dos últimos 11 anos.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.