CartaExpressa

Governo Lula deve anunciar aumento nas bolsas da Capes e do CNPq ainda neste mês, diz Camilo

O ministro da Educação participou, nesta quinta-feira 19, de uma reunião com o presidente e 27 reitores de universidades federais

O ministro da Educação, Camilo Santana Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O ministro da Educação, Camilo Santana, disse nesta quinta-feira 19 que o presidente Lula (PT) deve anunciar ainda neste mês o reajuste das bolsas da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, a Capes, e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, o CNPq, que atendem a estudantes de graduação e pós-graduação.

“A ideia é que até o final deste mês o presidente possa anunciar o reajuste tanto da Capes quanto do CNPq”, declarou o ministro a jornalistas, após sair de reunião com Lula e os 27 reitores das universidades federais. Os valores de bolsas das instituições não são reajustados desde 2013.

Ao ser anunciada como ministra da Ciência e Tecnologia, Luciana Santos (PCdoB) defendeu como prioridade a reposição das perdas inflacionárias das bolsas de pesquisa. A recomposição total aumentaria em cerca de 70% os valores pagos aos bolsistas pelo CNPQ, ligado à sua pasta, e pela Capes, subordinada ao MEC. Mestrandos recebem 1,5 mil reais e doutorandos, 2,2 mil.

O governo Lula anunciou como presidente do CNPQ o cientista Ricardo Galvão, que foi demitido do Inpe por Bolsonaro. Já a Capes será presidida pela bióloga e professora da UnB Mercedes Bustamante, a quinta mulher a liderar o órgão.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar