Política

O acordo capaz de destravar as negociações entre o governo Lula e o União Brasil

Estão na mesa indicações para o segundo e o terceiro escalões do governo federal

Luciano Bivar e Lula. Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

Após integrantes do União Brasil indicarem três ministros para o governo Lula (PT), deputados do partido resistem em aderir à base de sustentação do petista no Congresso Nacional.

O ponto central das divergências se deu no veto ao nome do líder do União na Câmara, Elmar Nascimento, para o comando de algum ministério. Petistas da Bahia trabalharam contra o rival local ao resgatar declarações de apoio ao ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e ataques a Lula.

O deputado chegou a dizer que as escolhas de Daniela do Waguinho para o Turismo, de Juscelino Filho para a Comunicação e de Waldez Goes -próximo do senador Davi Alcolumbre – para a Integração e Desenvolvimento Regional não refletiam o desejo das bancadas da Câmara e do Senado.

As negociações hoje giram em torno de indicações para o segundo e o terceiro escalões do governo federal, que serão usados por Lula justamente para contemplar partidos aliados que ainda não tiveram as suas demandas atendidas.

Um dos desejos do União Brasil, desde o início das tratativas, é manter o controle da Codevasf (Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba), que hoje é presidida por Marcelo Moreira, que foi indicado por Nascimento.

CartaCapital apurou que há uma tendência de que a maior parte dos votos das bancadas do partido no Congresso vá ao encontro dos interesses da gestão petista.

“Tem uma corrente majoritária que vai querer compor a base do governo”, disse à reportagem um deputado do União Brasil em caráter reservado. “Talvez não fique lá defendendo explicitamente o governo, mas vai votar com ele”. O acordo, acrescenta o parlamentar, envolve a distribuição de cargos.

Nesta semana, o ministro-chefe da Secretaria de Relações Institucionais da Presidência da República, Alexandre Padilha (PT), recebeu Nascimento para uma reunião cuja pauta era a chegar a um consenso sobre as negociações.

“Precisa fazer esse acerto de contas para superar a divisão no partido”, disse o atuante deputado. “Pois se não vai ser difícil chegar a um denominador comum”.

O foco de maior resistência no partido está mesmo em Nascimento, que tem forte influência sobre os deputados federais da legenda. O parlamentar também é próximo do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP). “O [presidente do partido Luciano] Bivar, por exemplo, quer compor”, disse o integrante da sigla a CartaCapital.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo