CartaExpressa

Ex-número 2 do GSI diz que G. Dias ‘reteve’ informações da Abin sobre o 8 de Janeiro

O general Penteado depôs à CPI aberta pela Câmara Legislativa do Distrito Federal para investigar o vandalismo bolsonarista

O general Penteado, ex-número 2 do GSI, na CPI dos Atos Antidemocráticos. Foto: Eurico Eduardo/CLDF
Apoie Siga-nos no

O general Carlos José Russo Assumpção Penteado, ex-secretário-executivo do Gabinete de Segurança Institucional, afirmou nesta segunda-feira 4 que o ex-ministro Gonçalves Dias “reteve” informações da Agência Brasileira de Inteligência sobre os ataques golpistas de 8 de Janeiro.

Penteado prestou um depoimento à CPI aberta pela Câmara Legislativa do Distrito Federal para investigar o vandalismo bolsonarista na capital.

“Todas as ações conduzidas pelo GSI no dia 8 de Janeiro estão diretamente relacionadas à retenção pelo ministro Gonçalves Dias dos alertas produzidos pela Abin, que não foram disponibilizados oportunamente para que fossem acionados todos os meios do Plano Escudo”, disse o depoente.

Segundo Penteado, “se a Coordenação de Análise de Risco tivesse acesso ao teor dos alertas encaminhados ao general Gonçalves Dias pelo diretor da Abin, as ações previstas pelo Plano Escudo teriam impedido a invasão do Palácio do Planalto”.

Diante disso, diz o militar, é possível concluir que não houve um “apagão na inteligência”, mas uma “quebra” no fluxo de informações. Ou seja: de acordo com ele, os dados da Abin não chegaram às pessoas que deveriam ser as destinatárias dos alertas.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.