CartaExpressa

Lula dá início a obras de prevenção contra enchentes no interior de São Paulo

O governo prevê o investimento de 143 milhões de reais em Araraquara

Cerimônia de assinatura da Ordem de Serviço das Obras de Macrodrenagem e Reurbanização de Áreas Afetadas por Enchentes, em Araraquara (SP), em 24 de maio de 2024. Foto: Ricardo Stuckert/PR
Apoie Siga-nos no

O presidente Lula (PT) participou, nesta sexta-feira 24, da assinatura da ordem de serviço para início das obras de macrodrenagem e reurbanização de áreas afetadas por enchentes em Araraquara (SP).

Na cidade do interior paulista, o petista esteve acompanhado dos ministros Renan Filho (Transportes), Jader Filho (Cidades), Nísia Trindade (Saúde) e Alexandre Silveira (Minas e Energia), entre outros.

O governo federal projeta o investimento de 143 milhões de reais em obras de saneamento integrado nas bacias Ribeirão do Ouro, Córrego da Servidão, Córrego Capão do Paiva e afluentes. A ideia é construir, inclusive, uma lagoa de retenção, para prevenir inundações na cidade.

No fim de 2022, Araraquara entrou em situação de emergência por causa de fortes chuvas que chegaram a derrubar uma ponte e matar seis pessoas. Um ano depois, chuvas intensas voltaram a provocar estragos no município.

No evento desta sexta, Lula defendeu o investimento em Araraquara e evitou se referir ao montante como “gasto”.

“No nosso governo, é proibido falar a palavra ‘gasto’ em coisas que são investimentos”, disse. “Por que 143 milhões de reais? Porque Araraquara é uma cidade que teve um desastre climático e Araraquara, igual a qualquer outra cidade, merece 143 milhões de reais ou merece mais.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.