CartaExpressa

Diretor da Abin diz que encontrou sistema de inteligência ‘caótico’ após 8 de Janeiro

Luiz Fernando Corrêa disse que atividade de inteligência não foi tratada devidamente por todos os governos do período pós-democratização

O diretor-Geral da Abin, Luiz fernando Corrêa. Foto: Leonor Calasans/IEA-USP
Apoie Siga-nos no

Diretor-geral da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) desde maio, Luiz Fernando Corrêa chamou de “caótico” o ambiente encontrado no órgão após o 8 de Janeiro, período em que passou a ser responsável por melhorar o sistema de informações do governo. A declaração foi dada ao jornal O Globo, em entrevista publicada nesta segunda-feira 2.

“O sistema estava caótico. Não tinha uma lógica, [nem] um funcionamento adequado”, afirmou Corrêa, ao se referir ao estado em que encontrou o sistema de inteligência. Para ele, “a inteligência não funcionou” para alertar o presidente Lula (PT) sobre os riscos de atos golpistas no início do ano.

Corrêa atribuiu a culpa a todos os governos pós-redemocratização pelo que chamou de “negligência” com a Abin. “Todos os governos [depois da redemocratização] não trataram a atividade de inteligência devidamente. […] A atividade foi malcuidada. Isso ocorreu por razões óbvias: a desconfiança de que o serviço servia só para vigiar pessoas, contrariava interesses do Estado”. Para ele, essa noção sobre a Abin é “uma questão cultural”. 

Apesar do diagnóstico sobre a precariedade do sistema de inteligência encontrado após o 8 de Janeiro, o diretor-geral da Abin disse que, agora, tem um projeto “para botar isso para funcionar”.

Ele tratou, ainda, do monitoramento que o órgão faz sobre movimentos extremistas. “Estamos tentando estudar esse fenômeno em todos os seus aspectos para auxiliar quem conduz políticas públicas”, afirmou.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar