CartaExpressa

Senado discute projeto que criminaliza apologia a tortura e ditadura

O texto, de autoria de Rogério Carvalho (PT-SE), prevê o agravamento da pena se o crime for cometido por agente político

O senador Rogério Carvalho (PT-SE) em pronunciamento. Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado
Apoie Siga-nos no

A Comissão de Defesa da Democracia do Senado deve analisar na próxima quarta-feira 15 um projeto de lei que criminaliza a apologia à tortura e à instauração de uma ditadura no País.

O PL, de autoria do senador Rogério Carvalho (PT-SE), prevê o agravamento da pena se o crime for cometido por agente político, integrante do Judiciário ou do Ministério Público, ou por meio de perfis falsos nas redes sociais.

A relatora, Teresa Leitão (PT-PE), emitiu um parecer favorável à matéria, que ainda passará pelas Comissões de Segurança Pública e de Constituição e Justiça.

“Sim, deve haver liberdade de expressão, por outro lado, ela deve ser extremamente diferenciada da apologia à tortura e à instauração do regime ditatorial no Brasil”, diz Carvalho na justificativa do projeto. “Afinal, que liberdade é essa que ameaça cercear as demais liberdades?”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.