CartaExpressa

Carlos reclama de silêncio de Sergio Moro sobre condenação de Bolsonaro no TSE

Ex-ministro bolsonarista não postou uma linha ou fez qualquer manifestação pública sobre o tema; nos últimos meses, ele vinha ensaiando uma reaproximação com o antigo chefe

Fotos: Sergio Lima/AFP e Lula Marques
Apoie Siga-nos no

Quase 24 horas após o Tribunal Superior Eleitoral tornar Jair Bolsonaro (PL) inelegível, o ex-ministro da Justiça e atual senador, Sergio Moro (União Brasil-PR), não postou uma linha ou fez qualquer manifestação sobre a condenação. O silêncio do antigo aliado gerou incomodo em integrantes do clã do ex-presidente. Carlos Bolsonaro, vereador e filho do ex-presidente, neste sábado 1, foi o porta-voz da reclamação.

“A terceira via tá chamuscando a beirola!”, disse Carlos Bolsonaro em resposta a uma publicação que cobrava posicionamento do ex-ministro. Na postagem, é possível ver uma foto antiga do senador com Alexandre de Moraes, atual presidente do TSE.

Nos bastidores, outros membros do PL também demonstraram incomodo com o ex-juiz. Além dele, o recém-cassado Deltan Dallagnol (Podemos), outro membro da pequena claque lavatista em Brasília, também segue calado*. Integrantes do partido de Bolsonaro, que foram solidários ao ex-procurador, esperavam receber um apoio, ainda que tímido, dos lavatistas.

O silêncio, porém, tem explicação. Fontes próximas aos políticos paranaenses explicaram a CartaCapital que essa é uma resposta de Deltan e Moro ao ex-capitão e a Valdemar Costa Neto, que teriam desmobilizado protestos pró-Deltan no auge da repercussão contra sua cassação.

*Minutos após a publicação, Deltan dedicou algumas linhas em suas redes sociais para tratar da cassação do ex-capitão.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.