CartaExpressa

Bolsonaro não deve voltar logo ao Brasil porque pode ser vítima de ‘alguma ação’, diz subprocurador-geral

O ex-capitão viajou aos Estados Unidos em 30 de dezembro, dois dias antes de Lula (PT) assumir a Presidência da República

Foto: MAURO PIMENTEL / AFP
Apoie Siga-nos no

O subprocurador-geral da República Alcides Martins afirmou que a volta de Jair Bolsonaro (PL) ao Brasil pode demorar devido aos “ânimos muito acirrados”.

Bolsonaro viajou aos Estados Unidos em 30 de dezembro, dois dias antes de Lula (PT) assumir a Presidência da República, e ainda não retornou.

“O meu juízo é que ele não deverá voltar muito rápido porque há relações muito tensas entre o grupo que saiu e o grupo que entrou, e isso dificulta o diálogo”, disse Martins em entrevista à Agência Lusa. “Os ânimos estão muito acirrados e, voltando, pode ser vítima de alguma ação.”

O subprocurador-geral disse ainda considerar um “exagero” a prisão de Anderson Torres, ex-secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, e o afastamento de Ibaneis Rocha (MDB) do governo do DF por suspeitas de omissão no 8 de Janeiro.

“Não se pode punir antes de se chegar a uma conclusão, à prova de coparticipação ou de omissão declarada. Ele [Ibaneis] foi eleito pelo povo”, argumentou.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar