CartaExpressa

Bolsonaristas zombam do Cacique Raoni, que subiu a rampa com Lula

Nas redes, usuários se mobilizam para denunciar o conteúdo e fazer com que o vídeo chegue ao conhecimento de ministros

Créditos: Reprodução Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

Um perfil identificado como ‘mtmsl22’ no TikTok publicou um vídeo na terça-feira 3 zombando da liderança indígena Cacique Raoni, que subiu a rampa do Palácio do Planalto ao lado de Lula em sua posse no domingo 1º.

No vídeo, a dona do perfil aparece ao lado de outra mulher, segurando pratos de plástico com a boca, em alusão ao botoque utilizado pelo cacique no lábio inferior. Ao fundo, ouve-se uma música indígena.

O ornamento circular, feito geralmente de madeira, é comumente inserido nas orelhas, nas narinas ou no lábio inferior por membros de alguns povos.

Na página, não há informações sobre a identidade da mulher, que já publicou outros vídeos vestindo camiseta da Seleção Brasileira e se declarando “patriota”.

Nas redes, já há manifestações contra a postagem. Usuários denunciam o conteúdo e marcam os perfis dos ministros dos Direitos Humanos, Silvio Almeida; dos Povos Indígenas, Sônia Guajajara; e do Meio Ambiente, Marina Silva.

@mtmsl22♬ Musica de los Indios – Los Tamborones Ecuatorianos

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.