CartaExpressa

Acampamentos golpistas serão ‘resolvidos’ até esta sexta, diz Flávio Dino

Segundo o ministro da Justiça, o governo Lula (PT) espera não haver resistência dos manifestantes

Foto: Evaristo Sá/AFP
Apoie Siga-nos no

O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Flávio Dino, disse nesta quarta-feira 4 que o problema dos acampamentos golpistas promovidos por bolsonaristas será resolvido até esta sexta 6.

Ao sair da cerimônia de posse de Geraldo Alckmin (PSB) como ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Dino também afirmou que espera não haver resistência dos manifestantes.

“A condução que eu tenho com o [José] Múcio [ministro da Defesa], é de que estará resolvido até sexta”, declarou Dino. “Não vai haver resistência”, emendou. As afirmações foram registradas pela Agência Estado.

CartaCapital conferiu de perto, na terça 3, o acampamento montado em frente ao quartel-general do Exército em Brasília e encontrou um cenário diferente daquele visto em meados de novembro, quando milhares de manifestantes pediam intervenção militar contra a derrota de Jair Bolsonaro (PL).

Ao contrário do que se via antes da posse de Lula, muitos já não ficam no local 24 horas por dia. Outra diferença em relação a novembro é a redução das opções de alimentação na porta do QG.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar