CartaExpressa

Após ataque de Lira, Pacheco sai em defesa de Padilha: ‘Competente’

O presidente do Senado defendeu o esforço para ‘manter uma boa relação com o governo’

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco. Foto: Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado
Apoie Siga-nos no

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), saiu em defesa do ministro Alexandre Padilha (PT), responsável pela articulação política do governo Lula (PT), e o definiu como “competente”.

As declarações foram concedidas na tarde desta quinta-feira 11. Horas antes, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), afirmou que Padilha é “incompetente”.

“O que eu posso dizer é que me esforço muito para manter uma boa relação com o governo, com o próprio ministro Alexandre Padilha, por quem tenho afeição, tenho simpatia e o considero também competente”, disse o senador, ao ser questionado sobre a ofensiva do deputado.

A relação entre Lira e o ministro é marcada por momentos de tensão. O presidente da Câmara, por exemplo, chegou a sugerir a demissão de Padilha e atribuiu a ele a culpa por dificuldades enfrentadas pelo governo na construção de uma base de apoio no Congresso.

O novo episódio do embate envolve a articulação do Palácio do Planalto para manter a prisão de Chiquinho Brazão, deputado suspeito de encomendar a morte da vereadora Marielle Franco. A movimentação irritou Lira, que subiu o tom contra Padilha ao comentar um suposto enfraquecimento em sua liderança após a votação.

“Essa notícia foi vazada do governo e, basicamente, do ministro Padilha, que é um desafeto, além de pessoal, um incompetente. Não existe partidarização [na análise da prisão de Brazão]”, disparou o deputado.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.