CartaExpressa

Após pressão de clubes, CBF suspende duas rodadas do Brasileirão

Demais competições seguem, exceto os jogos dos clubes gaúchos que estão suspensos até o dia 27 de maio

Gramado do Beira-Rio após o alagamento. Foto: Divulgação/Comunicação Internacional
Apoie Siga-nos no

A Confederação Brasileira de Futebol anunciou na noite desta quarta-feira 15 que vai suspender o Brasileirão por duas rodadas. As rodadas adiadas são a 7 e a 8, nos dois próximos fins de semana.

Segundo a confederação, a decisão foi tomada após a consulta com 20 clubes e o pedido de 15 equipes pela suspensão da competição até o dia 27 de maio.

“A CBF reitera o compromisso público assumido de transparência e diálogo pela atual gestão e suspende as rodadas 7 e 8 do certame”, diz a nota.

Os clubes que pediram a suspensão da competição são:

  1. Atlético ClubeGoianiense;
  2. Atlético Mineiro SAF;
  3. Club Athletico Paranaense;
  4. Criciúma Esporte Clube;
  5. Cruzeiro Esporte Clube SAF;
  6. Cuiabá EsporteClube SAF;
  7. Esporte Clube Bahia SAF;
  8. Esporte Clube Juventude;
  9. EsporteClube Vitória;
  10. Fluminense Football Club;
  11. Fortaleza Esporte Clube;
  12. Grêmio Football Porto Alegrense;
  13. SAF Botafogo;
  14. Sport ClubInternacional;
  15. Vasco da Gama SAF.

Decisão foi baseada também no pedido feito pela Federação Gaúcha de Futebol (FGF), que encaminhou e endossou o pleito dos seus clubes filiados.

As demais competições seguem sem alteração na programação, exceto os jogos dos clubes gaúchos que estão suspensos até o dia 27 de maio.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar