Sustentabilidade

Desmatamento em terras indígenas da Amazônia alcança o menor nível em seis anos

A desintrusão das TIs, promovida pelos esforços do governo Lula em conter o garimpo ilegal, pode ter sido um dos fatores decisivos para a queda

Desmatamento na terra indígena URU-EU-WAU-WAU (RO) - Uma investigação do Greenpeace Brasil identificou que bancos, com sede no Brasil e em outros países, vêm concedendo crédito para proprietários rurais envolvidos com o desmatamento e outras irregularidades socioambientais na Amazônia - Marizilda Cruppe / Greenpeace
Apoie Siga-nos no

O desmatamento ilegal nas terras indígenas da Amazônia teve uma redução de 42% entre agosto de 2023 e março de 2024, segundo relatório do Imazon. É a menor taxa de derrubada de árvores no território nos últimos seis anos.

A Terra Indígena Moskou, em Roraima, foi o território mais afetado pelo desmatamento ilegal no período. O relatório aponta que a desintrusão das terras indígenas, promovida pelos esforços do governo em conter o garimpo ilegal e a invasão, pode ter sido um dos fatores decisivos para a queda no volume de desmatamento.

“Em 2023, a TI Apyterewa esteve entre as mais desmatadas por seis meses consecutivos. A redução do desmatamento nesta TI pode estar associada a operação de retirada dos não-indígenas que estavam em situação ilegal na área”, destaca Larissa Amorim, pesquisadora do Imazon. A TI está há quatro meses seguidos sem aparecer no ranking das dez terras indígenas mais desmatadas.

Derrubada na Amazônia legal também segue em queda

A área da Amazônia legal acumulou 1.948km² e desmatamento no mesmo período analisado. Esse é o menor valor da série histórica, iniciada em 2018, e quase três vezes menor que o pico de desmatamento registrado em 2021, durante o governo Bolsonaro.

Gráfico produzido pelo Imazon

O mês de março também marca o 12º mês em consecutiva queda na perda florestal, apresentando 124km², o equivalente a uma diminuição de 64% em relação ao começo de 2023.

“A baixa consecutiva na devastação demonstra que as políticas de combate à derrubada na Amazônia estão sendo eficazes, apesar disso, é preciso continuar com as ações de combate e controle do desmatamento na região, focando principalmente nos territórios protegidos e nas áreas de intensa pressão ambiental”, reforça Amorim.

Os estados do Amazonas, Mato Grosso e Roraima foram os que mais desmataram no terceiro mês deste ano, respectivamente 28%, 26% e 25%, ocupando 79% da devastação em toda a Amazônia Legal, o que representa 98 km², área semelhante à cidade de Vitória, capital do Espírito Santo.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo