Justiça

TJ-SP determina indenização de R$ 85 mil a mulher que passou por laqueadura sem consentimento

Município de Embu das Artes e o Instituto Social Saúde Resgate a Vida, responsável pela Maternidade, foram condenados por unanimidade

Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O Tribunal de Justiça de São Paulo condenou o município de Embu das Artes a indenizar uma mulher, após a realização de uma laqueadura sem o seu consentimento na Maternidade Municipal Alice Campos Mendes Machado

O caso aconteceu em janeiro de 2018 e o Instituto que atua no hospital também foi condenado a pagar uma indenização de 85 mil reais à mulher por danos morais.

A decisão foi unânime e seguiu o voto da relatora, a desembargadora Maria Laura Tavares.

No documento, ela pontuou que a conduta do hospital infringiu a Constituição, na medida em que o procedimento foi realizado sem consentimento e sem comprovação de situação de urgência ou risco de vida que o justificassem. 

“Os danos sofridos pela autora, de ordem íntima, transbordam o mero aborrecimento cotidiano, tendo a autora sofrido violação do princípio da dignidade da pessoa humana e do livre planejamento familiar, ambos presentes no artigo 226, § 7º da Constituição Federal”, registrou a magistrada.

A mulher só soube da laqueadura após o parto do quinto filho em uma maternidade municipal. “Já aproveitei e fiz”, teria dito o profissional, segundo os autos do processo. 

Além de não ter manifestado vontade em fazer o procedimento, nem ela, nem o bebê passavam por qualquer anormalidade ou risco que justificassem a cirurgia.

Segundo a portaria 48/99 do Ministério da Saúde, é vedada a esterilização cirúrgica da mulher durante parto, e as exceções que permitem o procedimento devem ser testemunhadas em relatório escrito e assinado por dois médicos, o que não aconteceu.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo