CartaExpressa

Barroso volta a se posicionar contra a criminalização do aborto: ‘Prender a mulher não serve para nada’

O ministro deu a declaração nesta sexta-feira 8, durante participação em uma aula magna na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Créditos: Reprodução Tv Globo
Apoie Siga-nos no

O Ministro do Supremo Tribunal Federal, Luís Roberto Barroso, tornou a se posicionar contra a criminalização do aborto durante participação em uma aula magna, nesta sexta-feira 8, na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

“Não se trata de defender o aborto: trata-se de enfrentar esse problema de uma forma mais inteligente do que a criminalização, porque prender a mulher não serve para nada”, declarou.

O ministro, na sua participação na universidade, defendeu que a sociedade siga defendendo que o “aborto não é uma coisa boa e que deve ser evitado”. Ele pontuou, porém, que isso deve ser feito com a educação sexual e incentivo ao uso de métodos contraceptivos e não pela criminalização da ação.

“[Também precisa] explicar para as pessoas que ser contra o aborto e tentar evitá-lo não significa que se queira prender a mulher que passe por esse infortúnio — porque é isso que a criminalização faz e impede que as mulheres pobres usem o sistema público de saúde e, portanto, se mutilem e passem por imensas dificuldades”.

Barroso também falou em ‘conscientização’ acerca do tema da descriminalização, que começou a ser julgado pela Corte em setembro do ano passado e deve voltar à pauta. Os ministros iniciaram a votação pela descriminalização do aborto até a 12ª semana de gravidez. A então presidente do STF, ministra Rosa Weber, hoje aposentada, era relatora do processo e registrou o voto a favor de que a prática não seja considerada crime. Barroso pediu destaque e o processo foi interrompido. O julgamento voltará à pauta quando colocado na agenda das sessões presenciais do tribunal pelo próprio ministro.

“Essa é uma campanha de conscientização que nós precisamos difundir pelo Brasil para que a gente possa votar isso no Supremo, porque a sociedade não entende do que se trata”, condicionou, então, o presidente do STF.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.